“As marcas residem na mente das pessoas e manifestam-se quando são lembradas”

Muito chique. Eu gosto dessa transcendente definição sobre marcas. E adoro descobrir em quais mentes elas são lembradas.

A última descoberta foi na poesia de e.e.cumings e que foi traduzida por Augusto de Campos (e publicada na Revista Cult, no. 156) – breve livro será lançado.

Segue “presentinho” (seguido de coments láá em baixo):

Poem, or beauty hurts Mr. Vinal

take it from me kiddo

believe me

my country,’tis of

you,land of the Cluett

Shirt Boston Garter and Spearmint

Girl With The Wrigley Eyes(of you

land of the Arrow Ide

and Earl &

Wilson

Collars)of you i

sing:land of Abraham Lincoln and Lydia E. Pinkham,

land above all of Just Add Hot Water And Serve—

from every B.V.D.

let freedom ring

amen.  i do however protest,anent the un

-spontaneous and otherwise scented merde which

greets one(Everywhere Why)as divine poesy per

that and this radically defunct periodical.  i would

suggest that certain ideas gestures

rhymes,like Gillette Razor Blades

having been used and reused

to the mystical moment of dullness emphatically are

Not To Be Resharpened.  (Case in point)

if we are to believe these gently O sweetly

melancholy trillers amid the thrillers

these crepuscular violinists among my and your

skyscrapers—Helen & Cleopatra were Just Too Lovely,

The Snail’s On The Thorn enter Morn and God’s

In His andsoforth

do you get me?)according

to such supposedly indigenous

throstles Art is O World O Life

a formula:example,Turn Your Shirttails Into

Drawers and If It Isn’t An Eastman It Isn’t A

Kodak therefore my friends let

us now sing each and all fortissimo A–

mer

i

ca,I

love,

You.  And there’re a

hun-dred-mil-lion-oth-ers,like

all of you successfully if

delicately gelded(or spaded)

gentlemen(and ladies)—pretty

littleliverpill-

hearted-Nujolneeding-There’s-A-Reason

americans(who tensetendoned and with

upward vacant eyes,painfully

perpetually crouched,quivering,upon the

sternly allotted sandpile

—how silently

emit a tiny violetflavoured nuisance:Odor?

ono.

comes out like a ribbon lies fl at on the brush

….

Poema, ou a beleza fere o sr. Vinal

vai por mim cara

pode crer

esta pátria é

tua,terra das Camisas

Cluett Ligas de Boston e Garota

do Hortelã Com Olhos de Goma(é tua

terra dos Colarinhos Engomados

Arrow Ide

e Eart &

Wilson)de ti eu

canto:terra de Abraham Lincoln e Lydia E. Pinkham,

terra acima de tudo de Basta Pôr Água Quente e Servir—

de toda a D.V.B. [Diarreia Viral Bovina]

que a liberdade ecoe

amém.  eu no entanto protesto,vis-à-vis a des

-espontânea merda perfumada que

nos saúda(Onde quer que Por que)como divina poesia por

algum periódico radicalmente defunto.  eu

sugiro que certas ideias gestos

rimas,como Navalhas Gilette

depois de usadas e reusadas

até o místico momento do embotamento enfaticamente

Não Devem Ser Reamoladas. (Por exemplo

se vamos acreditar nesses gentil Ó docemente

melancólicos triladores de thrillers

violinistas crepusculares em meio aos meus e aos vossos

arranhacéus—Helena & Cleópatra eram Superlegais,

O Caracol No Espinho com Manhã Dileta e Deus

Em Seu etcétera

entenderam?)de acordo

com essas supostas chorumelas

nativas a Arte é Ó Mundo Ó Vida

uma fórmula:exemplo,Transforme em Ceroulas

a Sua Camisola e Se Não For Uma Eastman Não

É Uma Kodak portanto meus amigos

cantemos cada qual e todos fortíssimo A-

mér

i

ca,eu

Te

Amo.  E há

cem-milhões-de-outros,iguais

a você bem-sucedidos e

delicadamente castrados(ou enterrados)

cavalheiros(e damas)—belos

míserosfigado-

entes-Nujolnatos-Há-Uma-Razão para

os americanos(que tendãotensos e com

vagos olhos para o alto,dolorosamente

perpetuamente agachados,tremendo,sobre o

rigorosamente loteado monte de areia

—quão silenciosamente

emite um incômodo saborvioleta:Odor?

ono.

sai como uma fita e se achata na escova

….

Gostaram?

Minha única ressalva, na tradução do Augusto, é que ele NUNCA, em hipótese alguma, poderia ter ser simplesmente traduzido e reduzido Wrigley’s a uma commodity. No caso, a goma! Ainda mais a wrigley’s, que teve toda sua história de ter sido a pedra fundamental do branding, por ter sido a primeira a comprada por um valor muito além do contábil e blábláblá. Mas enfim, cada um com sua especialidade. Eu teria traduzido por pelo menos Buballoo. E Nujol pelo 46 da Almeida Prado…

Agora, se eu fosse A executiva de uma dessas marcas citadas, mesmo que em tom ácido, me sentiria super presenteada. ROO alcançadíssimo! Aposentadoria now, ou melhor, promoção pro Conselho Executivo.

A citação de marcas em qualquer forma de expressão artística, significa um enorme endosso de brand equity. É praticamente chegar no Olimpo (das marcas, no caso).

Sim, cummings imortaliza essas marcas assim como Warhol o fez com as Campbells Soup (que foi muito sortuda).

Atenção: A apropriação das marcas, por artistas, é bem diferente do que vem acontecendo hoje, quando as marcas apropriam-se da identidade do artista – estes devidamente recompensado$ – em seus produtos.

Mas isto é um outro breve capítulo.

….

*NOTA:“e. e. cummings (1894-1962) foi um dos expoentes da poesia norte-americana do século 20 e cujo estilo inclui o uso não regrado de pontuação e a falta de ordenação lógica das palavras. Produziu cerca de 2.900 poemas, dois romances autobiográficos, quatro peças e diversos ensaios. No Brasil, tem lançados O Tigre de Veludo (UnB, 2007) e Poem(a)s (Francisco Alves, 1998).Augusto de Campos (1931) é poeta, tradutor e crítico brasileiro, criador da poesia concreta juntamente com seu irmão Haroldo de Campos e também com Décio Pignatari. Sua obra, muito influenciada pela de e.  e.  cummings, contém recursos visuais como a disposição espacial estratégica das palavras e o uso de diferentes tipografias. Traduziu também Mallarmé, James Joyce e Ezra Pound. Entre suas obras estão Viva Vaia (Duas Cidades, 1979) e Despoesia (Perspectiva, 1994). O título deste poema* refere-se a um soneto, “Earth Love” (1922), de Harold Vinal, poeta acadêmico norte-americano, secretário da Poetry Society of America (“[…] I have worn beauty as two costly rings. / Alas, how short a state does beauty keep, / Then let me clasp it wildly to my heart / And hurt myself until I am a part / Of all its rapture, then turn back to sleep […]”). Cummings satiriza clichês artísticos e patrióticos e anúncios publicitários, citando nomes (como o laxativo Nujol e o desodorante Odorono) ou parodiando slogans de diversos produtos de consumo, como “Just Add Hot Water and Serve” (sopas Campbell), “There’s A Reason” (cereais Kellogg’s), “If it isn’t an Eastman, it isn’t a Kodak”, “comes out like a ribbon lies fl at on the brush” (Colgate). Canções patrióticas: My Country, ‘Tis of Thee (1831) (“My country, ‘tis of thee, / Sweet land of liberty, / Of thee I sing; / Land where my fathers died, / Land of the pilgrims’ pride, / From every mountain side / Let freedom ring!”). America, I love you (“America, I love you! […] And there’s a million others like me!”). Lydia E. Pinkham (1819-1883) era conhecida fabricante de “tônico feminino”, à base de raízes, sementes e 18% de álcool. “The Snail’s On The Thorn enter Morn and God’s / In His andsoforth” (“The year’s at the spring, / And day’s at the morn; / […] The snail’s on the thorn; / God’s in his Heaven — / All’s right with the world!” — Robert Browning, Pippa Passes). Cf. WEBSTER, Michael. Notes on the Writings of e. e. Cummings. Disponível em: http://www.gvsu.edu/english/cummings/notes.htm#Tulips&. (N. do T.)” FONTE: Revista Cult, edição de abril

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...